Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Saúde Semanal

Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. E, como técnica auxiliar de saúde, aqui estou para ajudar.

Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. E, como técnica auxiliar de saúde, aqui estou para ajudar.

Saúde Semanal

29
Mar09

Os pés na diabetes

Flor

 

Porquê cuidá-los?

Os pés estão habitualmente submetidos a um trabalho contínuo e é preciso dedicar-lhes uma atenção especial.
Com o passar do tempo, a diabetes pode produzir uma diminuição de sensibilidade nervosa e alterar a circulação sanguínea. Em consequência, os pés de algumas pessoas com diabetes têm maior risco de sofrer feridas e infecções.
 
Como se avalia o risco?
A sensibilidade nervosa avalia-se de diversas formas, sendo as mais usuais com o diapasão e o monofilamento.
O fluxo sanguíneo comprova-se através da pulsação em diversas partes das pernas ou através de um aparelho chamado doppler.
Quando a sensibilidade nervosa ou o fluxo sanguíneo estão abaixo de certos limites, as pessoas com diabetes devem tomar maiores precauções.
As deformações articulares, pé plano, e as zonas de pressão excessivas, facilitam o aparecimento de úlceras.
 
Cuidados pessoais
As pessoas em risco devem ser ensinadas pela equipa de saúde, e a prevenção mais eficaz pode ser feita pelo próprio doente.
Os cuidados pessoais baseiam-se fundamentalmente na:
·         Inspecção periódica de todo o pé.
·         Higiene diária e higiene adequada das unhas.
·        Escolha apropriada de calçado, incluindo as respectivas medidas, e meias. O sapato deve adaptar-se ao pé e não o pé ao sapato.
·         Prevenção de feridas. Não andar descalço, evitar fontes de calor directo e examinar o interior do calçado.
·         Estilo de vida saudável (não fumar, andar regularmente, evitar beber álcool e evitar comer gorduras animais…).
 
Atenção médica
A aplicação das medidas atrás mencionadas por parte dos doentes e o tratamento adequado e imediato das lesões, tem feito com que, nos últimos anos, se tenham reduzido as amputações nas pessoas com diabetes. Os antibióticos e a cirurgia arterial reconstrutiva têm sido decisivos para a obtenção de bons resultados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D