Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Saúde Semanal

Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. E, como técnica auxiliar de saúde, aqui estou para ajudar.

Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. E, como técnica auxiliar de saúde, aqui estou para ajudar.

Saúde Semanal

05
Abr09

Dores articulares? Quais as chaves para combatê-las?

Flor

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), os ossos e as articulações são a parte do sistema osteomuscular mais afectadas pelo envelhecimento.

 

 

A artrose e a artrite são duas de 250 enfermidades mais conhecidas. A primeira é uma enfermidade degenerativa produzida por uma alteração da cartilagem que constitui as articulações. É a enfermidade reumática mais frequente e afecta em maior ou menor grau todas as pessoas a partir dos 55 a 60 anos. A artrose geralmente afecta os dedos das mãos, os joelhos, as ancas e a coluna cervical e lombar.

A artrite por sua vez é de origem vírica ou auto-imune e caracteriza-se por uma inflamação da articulação. Dentro desta patologia, merece uma especial atenção a gota. Este tipo de artrite, habitualmente causada por uma deposição de cristais de ácido úrico nas articulações, é uma consequência de níveis muito elevados de ácido úrico no sangue.

A dor que produz difere da dor causada pela artrose porque normalmente a dor da artrose é atenuada com o repouso enquanto na artrite, a dor é independente do movimento.

 

Combata a dor e a inflamação recorrendo à fitoterapia

A fitoterapia permite aliviar a sintomatologia dolorosa de uma forma natural. Algumas plantas têm demonstrado ser tão eficazes como os medicamentos químicos com a vantagem de exercerem uma acção muito mais suave no organismo, respeitando-o sem provocar efeitos secundários.

 

Sem dúvida que a planta mais relevante no tratamento do reumatismo é o Harpagófito. Este anti-inflamatório de origem vegetal é originário do deserto do Kalahari situado no sul de África. Os nativos conhecem o Harpagófito pelo nome de Garra-do-Diabo uma vez que os seus frutos, em forma de garra, se agarram aos animais causando-lhes uma dor tal que estes saltam como se estivessem possuídos pelo demónio.

 

Harpagófito, mais conhecido por Garra-do-Diabo pelos nativos do deserto do Kalahari.

 

Contudo, não são os frutos desta planta que interessam em termos medicinais mas sim as suas raízes secundárias em forma de tubérculo.

Rico em glucoiridóides com propriedades anti-inflamatórias e analgésicas excelentes, o Harpagófito tem sido utilizado com muito sucesso no tratamento dos reumatismos, na artrite e noutras manifestações articulares dolorosas de origem inflamatória sendo que estas acções foram comprovadas com inúmeros ensaios clínicos.

Tão importante como a sua eficácia é a ausência de efeitos secundários. O Harpagófito é neste momento uma alternativa importante a outros anti-inflamatórios muito conhecidos.

 

Outras plantas para o bem-estar articular

A Cavalinha, conhecida por Cauda-de-Cavalo, é uma planta herbácea vivaz que existe em quase todo o território de Portugal. Rica em sais minerais, de onde se destaca o silício, estimula a síntese do colagénio e por isso favorece a reconstituição dos tecidos ósseos e conjuntivos. Permite melhorar a flexibilidade dos tendões protegendo-os durante os esforços desportivos (ténis, ciclismo, atletismo, futebol, etc.).

Além do efeito remineralizante, a Cavalinha possui também propriedades diuréticas as quais são úteis nos casos de problemas urinários como sejam as infecções urinárias ou as pedras nos rins.

 

Quando a gota ataca

Com uma excelente acção depurativa, a Urtiga Branca permite uma boa eliminação renal e digestiva do ácido úrico ajudando assim a aliviar o problema da gota.

 

Os ossos e a idade

Até aos 30 anos, as células do osso estão em constante regeneração. De facto, é entre os 25 e os 30 anos que o sistema ósseo alcança o seu nível máximo de dureza e resistência. A partir desta idade, o número de células que morrem é superior às que se regeneram dando lugar a um lento e progressivo declive que atinge um nível muito importante e perigoso aos 60 anos.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D