Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Saúde Semanal

Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. E, como técnica auxiliar de saúde, aqui estou para ajudar.

Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. E, como técnica auxiliar de saúde, aqui estou para ajudar.

Saúde Semanal

16
Mar09

Crianças entre limites

Flor

 

A Perturbação de Hiperactividade com
Défice de Atenção interfere, seriamente,
na vida das crianças e das suas famílias.
Mas é possível controlá-la: com apoio
e promovendo o diálogo entre pais e educadores.
 
 A Perturbação Deficitária da Atenção
 
Comportamentos extremos
Há crianças que parecem ter uma energia inesgotável. E outras que se distraem com facilidade. Mas há também crianças cujo nível de actividade e/ou desatenção é tão elevado que interfere com as actividades diárias: é assim a Perturbação de Hiperactividade com Défice de Atenção.
É quase sempre na idade pré-escolar que se manifesta, com os rapazes a apresentarem mais comportamentos hiperactivos e as raparigas a revelarem sobretudo défice de atenção.
Esta é uma desordem que afecta a aprendizagem e o desempenho escolar. Conhecer e saber lidar com ela é, pois, fundamental.

O desafio do diagnóstico
O diagnóstico desta perturbação é essencialmente clínico e complexo. Envolve observação comportamental de um conjunto de manifestações características, em pelo menos dois ambientes distintos — casa e escola — pelo que a criança deve ser correctamente avaliada por profissionais habilitados. Só porque é irrequieta ou desorganizada, não significa que seja hiperactiva. 

Em equipa
Lidar com esta perturbação exige um verdadeiro trabalho de equipa entre profissionais de saúde, pais e educadores. O tratamento envolve uma componente comportamental e outra medicamentosa. O uso correcto dos medicamentos é fundamental: visam, entre outros aspectos, melhorar a atenção e reduzir a impulsividade. Os resultados podem não ser visíveis de imediato, mas há que continuar a tomar.
 
A intervenção comportamental é igualmente importante:
·        Crie uma rotina diária, com instruções fáceis de compreender e cumprir.
·        Ajude a organizar objectos.
·        Desdobre as tarefas.
·        Limite as escolhas, reduz os estímulos e facilita a concentração.
·        Defina metas realistas.
·        Recompense os progressos.
·        Use a remoção de privilégios para punir os comportamentos negativos, em vez de ralhar ou bater.
·        Seja paciente.
·        Promova a auto-estima.
·        Manifeste carinho. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D